O que é o decibel acústico?

Sim, já vimos a sua definição em muitas ocasiões, porem alguém ló entende?. Em este blog pretendemos explicar com uma linguajem pouco matemático e mais intuitivo o que significa o deciBel.

O que e o deciBel acústico?

O decibel (dB) e uma unidade logarítmica, adimensional e matematicamente escalar. E a décima parte de um Bel, que e o logaritmo decimal entre uma grandeza de interesse e a grandeza de referencia.

Como sempre, não entendo…

Vamos por partes. O nível sonoro e proporcional ao quadrado da variação da pressão atmosférica e o ouvido humano tem a capacidade de detectar variações de pressão eficaz entre 0,00002 Pascais (Pa) e 200 Pascais (Pa), que significa uma variação de 10 milhões de unidades (ao quadrado!)… porem, alem disso, para ouvido humano não e a mesma coisa uma pequena variação quando tem pouco ruído que quando tem muito ruído…

Porque os acústicos fazeis tudo tão complicado?

A complicação não e a toa, nem por complicar a acústica. O motivo e que nosso ouvido e um instrumento maravilhoso que se adapta constantemente, para poder medir com a mesma exatidão grandezas de ordem muito pequeno e outras extremadamente grandes. Imaginem uma balança capaz de pesar miligramas e Miles de toneladas sem nenhuma preparação nem fazer nenhuma alteração…

decibel1

Ainda não entendi nada, pode me dar mais um exemplo?

Vamos supor o preço dos bens e nossa valorização de eles… Quando vemos o preço da gasolina geralmente nos focamos nos centavos, e uma pequena variação faz que fiquemos muito chateados de manha no posto. Quando vamos ao mercado nos focamos nas variações do Real nos preços dos produtos (geralmente não reparamos nos centavos). Quando vamos comprar roupas, nosso nível de atenção esta por volta dos R$10 por cima ou por abaixo (R$1 já não e mais critico). Quando o que queremos comprar e um carro, repararemos mais em escalas de R$100 (agora R$ 10 já não são mais importantes)… e quando os políticos nos falam de dinheiro… então já não entendemos nada, porem a escala pode ser de milhões de reais ou mais.

decibel1

No caso do ouvido e igual. Quando estamos em nosso quarto em total silencio, podemos escutar o barulho de um pernilongo que já supõe uma pequena variação do som ambiente do quarto. Essa pequena variação e importante e nosso ouvido e capaz de percebê-la. Quando estamos em uma rua movimentada não vamos ser capazes de ouvir um mosquito que voe por perto. Agora, a mesma variação de pressão acústica já não e mais detectada por nosso ouvido.

Por tanto, ou que realmente importa ao medir um som e quantas vezes superamos o nível mínimo que somos capazes de escutar (20 micro pascais) e por isso trabalhamos com o logaritmo decimal.

Logaritmo?? Nunca entendi isso

O logaritmo pode-se simplificar como “contar” o numero de zeros que tem um numero. Assim, por exemplo, o 10 tem 1 zero, o 100 tem dois zeros, o 1000 tem 3 zeros… e o 1 não tem zeros.

Conforme a isso, o logaritmo de 10 e 1, de 100 e 2, de 1000 e 3… e de 1 e 0.

De esta forma já conseguimos simplificar a nossa escala acústica, porque então somos capazes de ouvir desde 0 Bels (a referencia) ate (Quantos zeros tinha 10 milhões ao quadrado?): 14 Bels. Como o que interessa e o deciBel ou dB (lembre que e a décima parte de um Bel), a escala fica em valores entre 0 e 140 dB.

É claro que tudo se complica…

Sim, porque os decibels não podem ser operados (somados ou restados) matematicamente de forma direta. Para fazer contas temos que convertê-los antes nas grandezas originais (pascal ao quadrado).

Por isso, 100 dB + 100 dB não são 200 dB… senão que são 10.000.000.000 + 10.000.000.000 Pascal (Pa) ao quadrado, ou seja, 20.000.000.000 ao quadrado… o que são 103 dB.

Assim acontece que duas fontes de 10 dB (10 dB + 10 dB) resultam em 13 dB ou duas de  50 dB (50 dB + 50 dB) são 53 dB, e cada vez que duplicamos a fonte incrementamos 3 dB.

Logicamente tudo fica mais complicado na hora de somar fontes, calcular isolamentos acústicos, restar ruídos de fundo, etc.

Por exemplo, quando falamos que uma janela tem um desempenho de isolamento acústico de 40 dB, queremos dizer que reduz a energia acústica do ruído exterior 10.000 vezes! E mesmo assim nosso ouvido ainda e capaz de escuta-lo.

Isso faz da acústica uma matéria especial e complicada, e dos acústicos umas pessoas que pensam em logaritmos, e que estamos dedicados a medir, diagnosticar e reduzir o ruído do nosso entorno.

Requistos acústicos da Norma de Desempenho NBR 15.575:2013

Desde o passado dia 19 de julho de 2013 e exigível aplicação nos novos projetos de edificação residencial das Normas NBR 15.575:2013 Edificações habitacionais – Desempenho em suas 6 partes.

  • NBR 15.575-1:2013 Edificações habitacionais – Desempenho – Parte 1: Requisitos gerais.
  • NBR 15.575-2:2013 Edificações habitacionais – Desempenho – Parte 2: Requisitos para os sistemas estruturais.
  • NBR 15.575-3:2013 Edificações habitacionais – Desempenho – Parte 3: Requisitos para os sistemas de pisos.
  • NBR 15.575-4:2013 Edificações habitacionais – Desempenho – Parte 4: Requisitos para os sistemas de vedações verticais internas e externas SVVIE.
  • NBR 15.575-5:2013 Edificações habitacionais – Desempenho – Parte 5: Requisitos para os sistemas de coberturas.
  • NBR 15.575-6:2013 Edificações habitacionais – Desempenho – Parte 6: Requisitos para os sistemas hidrossanitarios.

As normas foram desenvolvidas pelo ABNT/CB-02 Construção Civil e fixam os requisitos mínimos de desempenho nos seguintes itens:

Segurança:

  • Estrutural
  • Segurança contra o fogo
  • Segurança de uso e operação

Habitabilidade:

  • Estanqueidade
  • Desempenho térmico
  • Desempenho acústico
  • Desempenho lumínico
  • Saúde, higiene e qualidade do ar
  • Funcionalidade e acessibilidade
  • Conforto tátil e antropodinâmico

Sustentabilidade:

  • Durabilidade
  • Manutenbilidade
  • Impacto ambiental

Para alguns dos itens como o desempenho acústico a norma inclui em anexos normativos (não obrigatórios) níveis de desempenho mais elevados (Intermediário e Superior) que superam os requisitos mínimos fornecendo um maior conforto.

Dentro do desempenho acústico a norma estabelece os seguintes requisitos:

  • Isolamento a ruído aéreo (normativo): Paredes, fachadas e sistemas de pisos.
  • Isolamento a ruído de impacto (normativo): Sistemas de pisos
  • Nível de ruído (informativo): Instalações e equipamentos prediais, sistemas hidrossanitarios

A tabela a seguir resume os requisitos de desempenho acústico da norma NBR 15.575 para os diferentes sistemas construtivos:

 

SISTEMA
ELEMENTO
PAR
NIVEL DE DESEMPENHO
MIN
INT
SUP
ISOLAMENTO ACÚSTICO A RUIDO AEREO
Vedações verticais internas (paredes)

 

NBR 15575-4

NBR 15575-5

Parede entre unidades habitacionais autônomas (parede de geminação) nas situações onde não haja ambiente dormitório
DnT,w
(dB)
≥ 45
≥ 45
≥ 50
Parede entre unidades habitacionais autônomas (parede de geminação) onde pelo menos um dos ambientes ser dormitório.
≥ 45
≥ 50
≥ 55
Parede entre de dormitórios e áreas comuns de transito eventual, tais como corredores e escadaria dos pavimentos.
≥ 40
≥ 45
≥ 50
Parede cega de salas e cozinhas entre uma unidade habitacional e áreas comuns de transito eventual, tais como corredores e escadaria dos pavimentos.
≥ 30
≥ 35
≥ 40
Parede cega entre uma unidade habitacional e áreas comuns de permanência de pessoas, atividades de lazer e esportivas, como home theater, salas de ginástica, salão de festas, salão de jogos, banheiros e vestiários coletivos, cozinhas e lavanderias coletivas.
≥ 45
≥ 50
≥ 55
Conjunto de paredes e portas de unidades distintas separadas pelo hall (DnT,w obtida entre as unidades)
≥ 40
≥ 45
≥ 50
Fachadas
NBR 15575-4
NBR 15575-5
Fachada de dormitório sujeito a ruído ambiental exterior classe I (Distante de fontes de ruído intenso de quaisquer naturezas).
D2m,nT,w (dB)
≥ 20
≥ 25
≥ 30
Fachada de dormitório sujeito a ruído ambiental exterior classe II (situações de ruído não enquadráveis nas classes I e III.
≥ 25
≥ 30
≥ 35
Fachada de dormitório sujeito a ruído ambiental exterior classe III1 (ruído intenso de meios de transporte e de outras naturezas)
≥ 30
≥ 35
≥ 40
Sistemas de pisos
 
NBR 15575-3
Sistemas de piso separando unidades habitacionais autônomas de áreas em que um dos recintos seja dormitório
DnT,w (dB)
≥ 45
≥ 50
≥ 55
Sistemas de piso separando unidades habitacionais autônomas de áreas comuns de transito eventual, tais como corredores e escadaria nos pavimentos, bem como em pavimentos distintos.
≥ 40
≥ 45
≥ 50
Sistema de piso separando unidades habitacionais autônomas de áreas comuns de uso coletivo (atividades de lazer e esportivas, home theater, salas de ginástica, salão de festas, salão de jogos, banheiros e vestiários coletivos, cozinhas e lavanderias coletivas)
≥ 45
≥ 50
≥ 55
ISOLAMENTO ACÚSTICO A RUIDO DE IMPACTOS
Sistemas de pisos

NBR 15575-3

Sistema de piso separando unidades habitacionais autônomas posicionadas em pavimentos distintos
L’nT,w (dB)
≤ 80
≤ 65
≤ 55
Sistemas de piso de áreas de uso coletivo (atividades de lazer e esportivas tais como home theater, salas de ginástica, salão de festas, salão de jogos, banheiros e vestiários coletivos, cozinhas e lavanderias coletivas) sobre unidades habitacionais autônomas
≤ 55
≤ 50
≤ 45
NIVEL DE RUIDO
Instalações e equipamentos
NBR 15575-1

NBR 15575-6

Nível de pressão sonora continuo equivalente medido em dormitórios
LAeq,nT (dBA)
≤ 37
≤ 34
≤ 30
Nível de pressão sonora máximo medido em dormitórios
LASmaxNT (dBA)
≤ 42
≤ 39
≤ 36
1. Valores em negrito são normativos e o resto informativo
2. Em regiões de aeroportos, estádios, locais de eventos esportivos, rodovias e ferrovias há necessidade de estudos específicos para determinar o ruído ambiental exterior.

 

Para compra das normas visite: www.abntcatalogo.com.br